Páginas

domingo, 28 de outubro de 2012

Parafuso




Poder-se-ia dizer que esta edição do GetTogether gira em torno do “corpo”, essa famigerada palavra utilizada de modo desenfreado na abordagem crítica sobre a arte contemporânea. Vistos os trabalhos de André Terayama, Jorge Soledar e Renato Pera, todavia, o uso deste substantivo não me parece pecaminoso, mas, me incita a enxergá-lo de modo amplo,  para além de uma habitual circunscrição unilateral deste à performance, à fotografia e ao vídeo.

Falar sobre “corpo” é , a meu ver, comentar o conceito de figura humana, tão caro à tradição clássica. Ao se falar desse tópico, como se esquecer do grande mestre da narrativa visual através da nudez, Michelangelo? Em seu grande afresco do “Juízo final” (1537-41), lá está a imagem de São Bartolomeu, homem que foi esfolado vivo e alçado a mártir. Há quem diga que esta imagem derretida se trata de um autorretrato do artista. Na ausência desta certeza, podemos fazer uma relação entre esta construção visual e a fachada do Atelier 2E1. A autoimagem de Renato Pera também se faz presente, mas não há apelo para a face. O resultado de uma artesania é escancarado através da fotografia: eis exposta uma monumental tatuagem circular. Com a pele ainda avermelhada, dolorida, seis recortes de papel compõem um todo através do lambe-lambe. Ao se olhar de muito perto uma parte de nosso corpo, assim como um microscópio, parece que a única saída é seguir a gerar fragmentos. A superfície aqui é apresentada tal qual a proposição de Michelangelo: frágil, mole, sobre papel, basta chover, molhar e escorrer, assim como aquele resquício santo.

No mesmo século XVI, em 1543, o anatomista Andrea Vesalius publica o seu “Da estrutura do corpo humano”. Como o próprio título indica, se trata uma obra que mescla texto e imagem em torno da apreensão da arquitetura humanóide e de suas interseções. Como é possível ficar em pé? Ossos e músculos são dissecados e interessa ao autor mostrar o desenho de nossas entranhas. É com esta mesma referência ao desenhar que se dá nome a “Drawing itself”, de Jorge Soledar. Rostos e braços são tomados por polígonos e criam desenhos no espaço através de espelhamentos. Se Vesalius estuda uma estrutura física, este artista contemporâneo pesquisa um possível esquema corporal. Para além do interesse pelo caráter documental da reprodutibilidade técnica, os organismos aqui estão tensionados a fim de se criar novas geometrias. Aquilo que detém vida pode ser instrumentalizado e transformado em ponto, linha e fórmula.  O adestramento se faz possível e, neste sentido, esta pesquisa artística parece mais próxima da ideia do que do simulacro.



Mais do que a representação do físico se constituir como obra de arte, nos trabalho de André Terayama, tal qual uma casa em processo de reforma, elementos se agrupam e criam estruturas que remetem a constituições orgânicas. Cadeiras, objetos de assentamento por excelência, se cruzam e se transformam em asterisco. Uma pedra alçada a protagonista é elevada às suas irmãs menores. O som da fita adesiva a ser cortada rasga o espaço e nos pede para acompanhar a montagem de um precário andaime que reverencia Brancusi. A banalidade do que nos rodeia é ressignificada em instrumentos de trabalho através da  presença filmada do artista ou da sacralização que a fotografia é capaz de atribuir a uma imagem. Os cantos e o chão aqui podem estar na altura dos olhos.

Os três artistas que aqui dialogam parecem estar em um local entre Michelangelo e Vesalius, ou seja, entre o martírio da carne e a experimentação anatômica. Se a dor é passível de interpretação em algumas dessas imagens, em outras os vasos sanguíneos são retas paralelas. Se, tal qual um parafuso, pudemos inseri-los dentro deste espaço, também é possível que os desprendamos dos lugares cômodos que o “corpo” proporciona na arte contemporânea. Mais do que prender, estes pequenos objetos talvez sejam importantes justamente pelo poder de desconectar. A história da arte, portanto, tal qual uma broca, pode contribuir para fazer com que cada uma destas poéticas seja desmontada e remontada através de uma rede de referências onde “corpo” é apenas um ponto de partida.


(texto curatorial relativo à edição de outubro do GetTogether no Ateliê Coletivo 2E1, em São Paulo)

[artistas participantes: André Terayama, Jorge Soledar e Renato Pera]

Nenhum comentário: